quarta-feira, 1 de maio de 2013

As crianças e a religião

 

Em meio a um debate sobre a importância de cada discípulo o Mestre pegou uma criança e colocou-a no centro das atenções. Então, com seu jeito único, atordoante e profundo disse: “... Se não vos tornardes como crianças, de modo algum entrareis no reino dos céus...” (Mateus 18:3). Algumas décadas mais tarde, o Apostolo Paulo repreendeu os crentes de Corinto por serem crianças dizendo: “... Não vos pude falar como as espirituais e sim como a carnais, como a crianças em Cristo...” (I Coríntios 3.1) e mais perto do fim da carta salienta que quando amadureceu na fé “deixou as coisas próprias de meninos” (I Coríntios 13:11). Afinal, em que ficamos? Devemos ser ou não como crianças?

Evidentemente que a dificuldade só existe numa primeira abordagem do tema e um olhar mais profundo mostra que Jesus e Paulo não estão se contradizendo mas se complementando. Queremos avaliar as duas afirmações em sequência. Pensemos primeiro nas palavras de Jesus. No que devemos ser como crianças?

domingo, 14 de abril de 2013

Pais que sofrem de depressão pós-parto batem mais nas crianças e dedicam menos tempo a elas


Depressão pós-parto, também chamada de baby blues, é uma condição clínica já bem explorada e que afeta entre 10 a 20% das mulheres nos primeiros meses após o parto, afetando a saúde tanto das mães como dos filhos. Os pais também sofrem de uma condição semelhante, mas o assunto tem sido muito menos discutido. Um estudo publicado hoje pelo periódico oficial da Academia Americana de Pediatria aponta que a depressão dos pais também pode ter repercussões no desenvolvimento dos filhos.



Pesquisadores da Universidade de Michigan nos EUA estudaram 1746 pais de crianças de um ano de idade e encontraram que 7% deles apresentavam depressão.  Ao responderem à pergunta “No último mês, você bateu no seu filho?”, a resposta foi SIM em 13% dos pais sem depressão e em 41% dos deprimidos, uma diferença de quatro vezes. Desemprego e abuso de substâncias psicoativas também eram mais comuns entre os pais com depressão e estes apresentavam também uma interação com os filhos duas vezes menor, quando isso era medido pela freqüência que liam histórias para as crianças.



Os resultados também mostraram que 77% dos pais deprimidos haviam levado seus filhos ao pediatra nos últimos 12 meses, o que aponta uma grande oportunidade para que o pediatra provoque algum nível de discussão sobre a saúde mental do pai, orientando-os a procurar ajuda médica especializada. 



Já é bem reconhecido que o envolvimento dos pais nas questões discutidas num consultório pediátrico faz diferença no desenvolvimento das crianças e que a depressão paterna está associada a piores indicadores psicossociais da criança. Os pediatras, que já se preocupam com a saúde das mães, também devem estar atentos com os pais, pois a saúde deles também merece toda a atenção. Vale lembrar que é cada vez maior o número de pais que ficam com as crianças enquanto as mães trabalham.

domingo, 7 de abril de 2013

Dicas de Prevenção de Acidentes em Crianças e Adolescentes


A prevenção é a principal saída para a problemática dos acidentes, mas esta ainda permanece como um desafio. A prevenção não é encarada como prioridade no País. Muitas vezes é necessário que os problemas ocorram – dengues, AIDS, alagamentos, drogas – para só depois se rever os prejuízos. Além disso, o acidente nem sempre é notificado e tratado como tal, gerando ainda mais obstáculos na busca de soluções.

Com a conscientização da sociedade, pelo menos 90% dos acidentes poderiam ser evitados com atitudes preventivas, como:

- Ações Educativas;
- Modificações no meio ambiente;
- Modificações de engenharia;
- Criação e cumprimento de legislação e regulamentação específicas.

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Cuidados com crianças pequenas

Photo: Jim Loring, Tearfund
As pessoas que trabalham com a melhoria da saúde infantil frequentemente se concentram no lado médico da saúde, como a prevenção e o tratamento de doenças comuns da infância e o incentivo à boa nutrição. A saúde física é muito importante, mas as necessidades mentais, sociais e espirituais da criança também precisam ser atendidas para garantir o seu desenvolvimento completo e saudável. Os bebês e as crianças pequenas precisam de atenção especial, porque os cuidados e a atenção que a criança recebe nos primeiros cinco anos de vida influenciarão o seu desenvolvimento inteiro. As pessoas são capazes de aprender durante toda a vida, mas o desenvolvimento do cérebro é mais rápido durante os primeiros meses e anos.

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Os devidos cuidados que devemos ter na internet

Os devidos cuidados que devemos ter na internet

A tecnologia invadiu a vida de milhares de pessoas, o que há cerca de mais o menos 20 anos atrás era permitido somente a pessoas com certo poder aquisitivo, hoje move cerca de mais de 95 por cento da população, a tecnologia se mostra para gente de varias formas como, por exemplo, através dos computadores e notebooks, pelos novos e mais modernos modelos de celulares, câmeras digitas, entre muitos outros aparelhos que nos ligam a tecnologia, mais o mais usado é o computador interligado a internet. Com o mesmo pode conhecer o mundo sem sair de casa, podemos conhecer e nos comunicar com as pessoas em tempo real,
Porem é necessário ter certos cuidados quando se trata de internet, principalmente com crianças e adolescentes, pois a internet oferece muito conhecimento, mais também oferece artigos relacionados à pornografia, devemos tomar mais cuidado com os sites de relacionamentos e salas de bate papo, onde as crianças são as maiores vitimas de pedofilia, e jovens podem ser influenciados a entrar na prostituição, desse modo é necessário tomar um certo cuidado com os nossos filhos e filhas para que internet não se torne um grande problema posteriormente, desse modo confira algumas dicas para não ser uma vitima da internet.
Primeiramente deve-se evitar que computadores ou notebook com acesso a internet fiquem no quarto dos seus filhos, deixe o computador em um local onde você possa sempre estar olhando o que ele esta acessando , posteriormente estipule horários para ele acessar a internet, desse modo você poderá evitar futuros problemas.

Vaidade infantil tem limite

Mesmo não confirmado, caso de mãe que injetou botox na filha de sete anos reacende discussão sobre procedimentos estéticos para crianças


Foto: Getty Images Ampliar
Vaidade infantil: pais devem impor limites e intervenções radicais estão descartadas
Recentemente, um tabloide inglês publicou uma matéria sobre uma mãe que não só injetava botox na filha de sete anos, mas também havia feito maquiagem definitiva nas sobrancelhas da menina. Embora não confirmada, a história se alastrou pela web e representa um alerta para os perigos de uma corrida pela beleza iniciada cada vez mais cedo, muitas vezes estimulada pelas mães. “Esse tipo de procedimento estético não é recomendável em pessoas tão novas, que ainda estão em formação física e psicológica”, explica Sebastião Guerra, presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.
Leia tambémMeninas brincam de princesa em concurso de miss
Mãe, quero ser loira!

O médico conta que a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica teve conhecimento de dois casos semelhantes e tomou as medidas necessárias para que os procedimentos estéticos nas crianças fossem interrompidos. Segundo ele, antes de se fazer qualquer intervenção deste gênero, é preciso uma avaliação cuidadosa da criança e de suas necessidades por um grupo de médicos e psicólogos.

Para Filumena Gomes, médica pediatra do Instituto de Pediatria da USP, outra questão é a sexualização precoce. A injeção de botox torna os lábios mais chamativos e a intenção aí seria a de transformar uma menina em mulher. “A criança ainda é muito nova, não tem tantos instrumentos e habilidades internas para lidar com essa mudança na aparência e com a sexualização física e emocional”, explica a pediatra.

Eles alertam que intervenções estéticas radicais podem trazer consequências negativas tanto físicas quanto psicológicas. Silvia Martinelli Deroualle, psicanalista membro da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo, levanta a questão das mudanças precoces, muitas vezes impostas. “A criança é quem tem que se sentir incomodada com a aparência e desejar mudar, não a mãe”, diz.

Segundo a história publicada pelo tabloide “The Sun”, Sharon Evans decidiu aplicar o botox na filha Bree por conta própria, depois que 15 médicos se recusaram a fazê-lo. Nos concursos de beleza infantis realizados nos Estados Unidos e cobertos pelas televisões locais, não é difícil vermos crianças com pesada maquiagem, cílios postiços e apliques de cabelos.

Leia também:
cosméticos para crianças de oito anos causam polêmica

Os produtos usados nas aplicações de botox e preenchimento dos lábios são medicamentos que precisam ser prescritos por médicos e especialistas. E seu uso tem que ser feito por um profissional técnico adequado. Esse tipo de intervenção não é inócua, causa desconforto e mudanças na aparência. “Para a criança, passar por isso pode estar sendo um suplício”, diz Sebastião.

“O líquido injetado no lábio pode levar a uma inflamação ou infecção local. Estes são efeitos mais imediatos, mas também podem gerar uma cicatrização anômala e até a uma deformidade facial”, explica a pediatra Filumena Gomes. Além disso, como a criança ainda está em fase de crescimento não se sabe o tamanho definitivo desse lábio que está recebendo preenchimento que, no futuro, pode ficar desproporcional.
Leia tambémMãe, preciso emagrecer?

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Dicas de Prevenção

 

A prevenção é a principal saída para a problemática dos acidentes, mas esta ainda permanece como um desafio. A prevenção não é encarada como prioridade no País. Muitas vezes é necessário que os problemas ocorram – dengue, AIDS, alagamentos, drogas – para só depois se rever os prejuízos. Além disso, o acidente nem sempre é notificado e tratado como tal, gerando ainda mais obstáculos na busca de soluções.
 
Com a conscientização da sociedade, pelo menos 90% dos acidentes poderiam ser evitados com atitudes preventivas, como:
 
- Ações Educativas;
- Modificações no meio ambiente;
- Modificações de engenharia;
- Criação e cumprimento de legislação e regulamentação específicas.
 
Algumas dicas também podem ser adotadas no dia-a-dia, diminuindo ainda mais os riscos.